Conspiração brasileira à “la Bangu” ?

O texto da mensagem diz:
 “O seu grande amigo esta muito doente. Os médicos consideram que o risco é máximo, 10. O pior é que a esposa, que sempre tratou dele, agora está com câncer e com o mesmo risco. Os médicos acompanham os dois, dia e noite“.
20 de maio de 2016 em São Paulo. Dilma escreve a mensagem pelo email iolanda2606@gmail.com – alertando Monica Moura e João Santana que a Lava Jato estava acompanhando o casal de perto.
Iolanda não é um codinome de Dilma Rousseff, mas Estela, Patricia, Luiza e Vanda, sim. Foram os nomes que Dilma Rousseff usou no passado, quando cometia crimes aterrorizantes em nome de um ideal comunista.
A Dilma era um agente muito importante
que não podia ir para a linha de frente.
Dilma “Era o cérebro da ação” – “Quem passava as orientações do comando nacional para a gente era ela.” Dilma tinha tanta informação que sua prisão colocaria em risco toda a organização, diz o ex-sargento e ex-guerrilheiro Darcy Rodrigues, que adotava o codinome “Leo”, que em outra ação espetacular, ajudou o capitão Carlos Lamarca a roubar uma Kombi carregada de fuzis de dentro de um quartel do Exército, em Osasco, na região metropolitana de São Paulo.

 

Em 1969, Dilma Rousseff organizou três ações de roubo de armas em unidades do Exército, no Rio. O ex-sargento conta que uma das funções de Dilma era indicar o tipo de armamento que deveria ser usado nas ações e informar onde poderia ser roubado.
Vanguarda Armada Revolucionária Palmares – VAR-Palmares.
Um dos principais grupos armados da década de 60 foi o responsável pelo célebre roubo ao cofre de Adhemar de Barros que rendeu 2,5 milhões de dólares ao grupo de Dilma à época.
Durante o famoso encontro da cúpula da VAR-Palmares realizado em setembro de 1969, no Estado do Rio de Janeiro, Dilma Rousseff polemizou duramente com Carlos Lamarca, o maior mito da esquerda guerrilheira.
Lamarca queria intensificar as ações de guerrilha rural, e Dilma achava que as operações armadas deveriam ser abrandadas, priorizando a mobilização de massas nas grandes cidades.
Daí… precisaram de muito dinheiro para comprar pão com mortadela

 

O maior golpe da história do terrorismo mundial
O assalto ao cofre do governador paulista Adhemar de Barros na tarde de 18 de julho de 1969, no Rio de Janeiro.
Naquela tarde, a bordo de três veículos, um grupo formado por 11 homens e duas mulheres, todos da VAR-Palmares, chegou à mansão do irmão de Ana Capriglioni, amante do governador Adhemar de Barros, no bairro de Santa Teresa, no Rio.

 

Toda a ação durou 28 minutos e foi coordenada por Dilma Rousseff.
 
Quatro guerrilheiros ficaram em frente à casa. Nove entraram, renderam os empregados, cortaram as duas linhas telefônicas e dividiram-se: um grupo ficou vigiando os empregados e outro subiu ao quarto para chegar ao cofre, que pesava 350 quilos.
Revisando a História do Brasil
General de reserva Sylvio Ferreira da Silva, 88, foi um dos 14 feridos no atentado no aeroporto de Guararapes, no Recife, quando uma bomba matou um vice-almirante, Nelson Gomes Fernandes, e um jornalista, Edson Régis de Carvalho na manhã de 25/06/1966.
Em Brasília, onde acompanhou o noticiário sobre a divulgação do relatório final da Comissão da “Verdade” e viu Dilma Rousseff (PT) chorar durante o evento, disse:
Como pode uma coisa ser voltada somente para um lado? A comissão ouviu um lado só, o lado do terrorismo não foi investigado. Afinal de contas, essa repressão foi para evitar que acontecesse o pior.”
E “o pior” aconteceu… o PT chegou ao poder
Todos em Curitiba no dia 11/05/2017 com viagem paga por nós.
26/06/1968 – Quartel General do II Exército – Às 4h30, madrugada fria e nublada. Guaritas guarnecidas por jovens soldados que, aos 18 anos pertenciam ao efetivo do 4º RI, cumpriam o serviço militar obrigatório, mas não estavam treinados para guerrilha urbana.
Uma caminhonete que passava na Avenida Marechal Stênio Albuquerque Lima – nos fundos do QG – tentava penetrar no quartel. Desgovernada, batera, ainda na rua, contra um poste. Guardas viram quando um homem saltou desse veículo em movimento e fugiu correndo.
O jovem soldado Mario Kosel Filho, pensando que se tratava de um acidente de trânsito, saiu do seu posto com a intenção de socorrer algum provável ferido. Ao se aproximar do veículo o carro explodiu provocando destruição e morte num raio de 300 metros.
O corpo do jovem soldado Kozel foi totalmente dilacerado. O coronel Eldes de Souza Guedes, os soldados João Fernandes de Souza, Luiz Roberto Juliano, Edson Roberto Rufino, Henrique Chaicowski e Ricardo Charbeau ficaram muito feridos.
Presta atenção:
Nosso país está entregue a uma organização criminosa internacional, com participação de agentes treinados, articulados e guerrilheiros – prontos para matar, sem dó nem piedade por seus ideais.
Não se trata de “política” no sentido literal da arte, do conhecimento de Governar, mas de ações orquestradas, meticulosamente coordenadas para alcançar o poder Central de um país…
Meu BLOG trás uma visão ampla sobre os destinos da humanidade, de “como” movimentos de grupos seletos manejam a massa de ignorantes (que ignoram o seu passado e seu futuro).
Esses grupos se fortalecem dentro das Universidades moldando jovens totalmente alienados dos eventos passados. Depois de 50 anos sem memória nacional revisada, repetiremos os erros no futuro.
E para refrescar ou “informar” a massa falida, 85% das delações foram fechadas com pessoas em liberdade.
Como todo esse movimento de desmascarar, desnudar, faz parte do processo de amanhecer – pós escuridão – acredito que muito está por vir, mas poucos realmente “despertarão” para outros níveis.
O que importa aqui não é ser “esquerda” ou “direita” – o que importa é não polarizar – se polarizar… caiu na armadilha.

 

Notícias BBI

Passado da guerrilheira Dilma ROUSSEFF