Estado islâmico diz que atentado na Rússia, em metrô; O atentando serviu como um metrô de partida para o inferno, para os adoradores da cruz

Uma explosão provocada por bomba disparou estilhaços num vagão de metrô bem no fundo da terra na segunda maior cidade da Rússia na segunda-feira, matando 11 pessoas e ferindo 40.



Horas mais tarde, a polícia achou e desarmou um dispositivo explosivo cheio de estilhaços em outra estação da cidade de São Petersburgo.

Não houve nenhuma reivindicação de responsabilidade pelo atentado, que ocorreu enquanto o presidente Vladimir Putin estava visitando a cidade.

Reportagens noticiosas inicialmente disseram que a polícia estava buscando dois suspeitos, e a televisão estatal russa mostrou uma foto de um suspeito usando na cabeça algo característico das regiões muçulmanas da Rússia. Mais tarde, a agência noticiosa Interfax disse que a polícia agora suspeita que a explosão foi obra de um terrorista suicida.

O Comitê Investigativo, o órgão máximo de investigação criminal da Rússia, disse que havia começado uma investigação com base na premissa de que o ataque foi terrorismo, mas acrescentou que outras possibilidades estavam sendo consideradas.

São Petersburgo foi poupada de atentados anteriores.

“De agora em diante, ficarei apavorada de usar o metrô,” disse Marina Ilyina, de 30 anos, que trouxe flores à estação em que o vagão parou depois do atentado a bomba. “Nós em São Petersburgo achávamos que não seríamos tocados por isso.”

Apoiadores do ISIS estavam louvando o atentado, de acordo com o site Voactiv, que noticiou que um apoiador do ISIS no fórum online do grupo terrorista al-Minbar escreveu: “Pedimos a Alá que abençoe a operação realizada pelos leões do Califado, pedimos a Alá que mate os cruzados.”

Outro escreveu que o atentado a bomba criou “um metrô para o inferno para os adoradores da Cruz” e afirmou que os atentados eram vingança pelos ataques da Rússia contra o ISIS na guerra civil da Síria.