¨ Precisamos Pacificar o Brasil ¨ diz Temer; Michel Temer vê 'brasileiro contra brasileiro' e diz que é preciso eliminar raivosidades para País ser ¨pacificado¨

Presidente deu declaração em discurso no Palácio do Planalto. ‘A regra geral é a cordialidade entre os brasileiros’, afirmou. 

Em discurso no Palácio do Planalto, que o Brasil precisa sair da condição de “embate permanente”,. Segundo ele, isso coloca “brasileiro contra brasileiro”. O presidente pregou a “cordialidade” como “regra geral” no país.
Temer fez a declaração durante de assinatura de um decreto de regularizaão portuária, destinado a flexibilizar a concessão de áreas nos portos.
“Precisamos pacificar o país. O país não pode ficar nessa condição de embate permanente, brasileiro contra brasileiro. A regra geral é a cordialidade entre os brasileiros. É preciso eliminar uma certa raivosidade que muitas vezes permeia a consciência nacional. Precisamos ter paz, tranquilidade e saber que nada vai impedir o Brasil de trabalhar”, afirmou o presidente.
Durante o discurso, o presidente não associou a declaração a nenhum episódio e não disse a que se referia especificamente.

Inflação

No momento em que falou sobre a “raivosidade”, Temer citava resultados do governo.
Ele afirmou que as medidas que tem tomado para garantir a redução da inflação e do desemprego já indicavam, segundo ele, que “o Brasil está voltando aos trilhos”, e que esses avanços devem ajudar a acalmar os ânimos da população.
“É importante ressaltar o que está acontecendo no nosso país. Quando vemos o quadro da inflação, vemos com orgulho”, disse.
De acordo com o presidente, resultados como superávit na balança comercial e redução na inflação para 4,5% dão ao governo a certeza de que “os brasileiros estão começando a ficar otimistas com a economia e dizendo que eles têm otimismo em relação ao futuro”.
Com a flexibilização na concessão de áreas nos portos, o governo estima em R$ 25 bilhões os novos investimentos que serão gerados no setor. Temer afirmou que o decreto, aliado às reformas em tramitação no Congresso Nacional, ajudará na geração de empregos.
“Só temos como investir com a garantia de que vamos gerar empregos com base nesses investimentos, e que serão dinamizantes da nossa economia”, afirmou durante o discurso.
Ele se disse confiante na aprovação da reforma trabalhista no Senado. Na Câmara, a comissão especial concluiu nesta terça a votação do projeto de reforma da Previdência. 

Café da manhã

Mais cedo, Temer usou o mesmo tom para defender a agenda reformista do governo durante um café da manhã no Palácio do Jaburu com parlamentares da bancada paulista no Congresso.
“Neste ano, ainda há umas certas incompreensões. Mas vocês verão como, no começo do ano que vem, haverá compreensão do que foi feito neste período. E daí, todos desfrutarão”, afirmou.
No encontro, Temer mencionou as dificuldades enfrentadas com a recessão e com o clima político “com vários fatores que todos conhecemos”. Mas disse que, apesar das adversidades, “nós estamos caminhando”.
Ele voltou a pedir apoio dos deputados, disse que o Legislativo governa junto com o Executivo e não pode ser tratado como apêndice do governo.
“Deus me trouxe aqui na Presidência, num momento complicadíssimo. Porque não é só a complicação da recessão, que é uma verdade evidente, uma recessão extraordinária. Mas também politicamente complicado, com vários fatores que todos conhecemos. E sem embargo disso, nós estamos caminhando. Por quê? Porque eu, ao longo do tempo, sempre tive esta ideia muito acentuada, na verdade, incrustada no meu espírito”, declarou.