Segundo Pesquisa do IBOPE : Reprovação do governo Temer chega a 55%

  • Pedro Ladeira -15.mar.2017/Folhapress

    O presidente Temer durante lançamento do programa Senhor Orientador

    O presidente Temer durante lançamento do programa Senhor Orientador
Pesquisa Ibope encomendada pela CNI (Confederação Nacional da Indústria) e divulgada nesta sexta-feira (31) mostra que o percentual de brasileiros que consideram o governo do presidente Michel Temer (PMDB) ruim ou péssimo é de 55%. É a reprovação mais alta ao governo Temer da série do Ibope.
Na última pesquisa, divulgada em dezembro, 46% dos brasileiros avaliaram o governo do presidente como ruim ou péssimo, percentual superior ao da sondagem publicada em outubro, quando o governo Temer atingiu 39% de ruim ou péssimo.
Ainda de acordo com o levantamento, 10% dos brasileiros consideram o governo Temer como ótimo ou bom, percentual com variação dentro da margem de erro da pesquisa. Em dezembro esse percentual foi de 13% e, em outubro, de 14%.
O percentual de brasileiros que considera o governo regular é de 31%, ante 35%, em dezembro, e 34%, em outubro.
O percentual dos que não sabem ou não responderam foi de 4%, contra 6% em dezembro.

Confiança e comparação com Dilma 

A pesquisa também levantou o percentual dos brasileiros que dizem confiar no presidente Michel Temer. O índice de confiança também piorou.
Disseram não confiar em Temer 79% dos entrevistados, ante 72% em dezembro. O índice dos que confiam caiu de 23%, em dezembro, para 17% na pesquisa divulgada hoje.
Os pesquisadores também perguntaram sobre a expectativa sobre o restante do governo Temer, cujo mandato se encerra em 2018. O percentual de respostas ruim/péssimo foi de 52%, ante 43% na última pesquisa. Entre os entrevistados, 14% disseram esperar um governo ótimo ou bom 14%. Em dezembro esse percentual era de 18%. Outros 6% disseram não saber ou não responderam.
Na comparação com o governo Dilma, 41% dos entrevistados disseram que o governo Temer é pior que o da ex-presidente. Em dezembro esse percentual foi de 34%. O número de entrevistados que considera o governo Temer melhor que o governo Dilma foi de 18%, percentual menor que o obtido em dezembro, de 21%.
O percentual de entrevistados que respondeu “igual” à comparação entre os dois governos foi de 38%, enquanto 3% disse não saber ou não respondeu.
No momento em que teve maior índice de reprovação, em dezembro de 2015, o governo Dilma Rousseff atingiu 70% de respostas ruim ou péssimo.
A pesquisa também indica que a preferência por Temer é maior entre os homens. Enquanto 22% dos homens dizem preferir o governo do atual presidente, o percentual de mulheres que prefere Temer a Dilma é de 15%.
Esta foi a terceira pesquisa Ibope sobre a aprovação do governo realizada após Temer ser efetivado no cargo após o impeachment de Dilma Rousseff, em maio do ano passado. Na primeira pesquisa, em julho, Temer ocupava o cargo de forma interina –o impeachment só foi concluído em 31 de agosto.
A sondagem é divulgada em meio a mobilizações populares contra as reformas propostas pelo governo ao Congresso, como a reforma da Previdência e a trabalhista.
No dia 15 de março foram realizadas manifestações em cidades de ao menos 19 Estados e no Distrito Federal. Também nesta sexta-feira (31) já há o registro de atos contra as reformas em seis Estados.

Avaliação por área

A pesquisa também perguntou a percepção das pessoas sobre a atuação do governo Temer em diferentes áreas.
O setor melhor avaliado do governo foi a atuação no Meio Ambiente, com 26% de aprovação, 63% de reprovação e 11% de entrevistados que disseram não saber ou não quiseram responder.
A área pior avaliada foi a relativa aos impostos, com 85% de desaprovação e 11% de aprovação.
A desaprovação nas demais áreas foi de 80% na pergunta sobre taxa de juros, 79% na segurança pública, 79% na saúde, 77% no combate ao desemprego, 73% no combate à fome e à pobreza, 72% no combate à inflação e 70% na educação.
A pesquisa divulgada hoje foi realizada entre os dias 16 e 19 de março e ouviu com 2.000 pessoas em 126 municípios. A margem de erro é de dois pontos percentuais.

Economia pode explicar avaliação, diz gerente

O gerente de pesquisa da CNI, Renato da Fonseca, diz acreditar que a reforma da Previdência, as notícias sobre operações de combate à corrupção e o
Segundo Fonseca, a pesquisa consegue não determinar os motivos do aumento da aprovação de forma direta, mas essa avaliação pode ser traçada a partir da sondagem sobre as impressões dos entrevistados em relação às notícias sobre o governo e com base também no contexto político.
“A pesquisa não permite que a gente diga quais são as causas da variação da popularidade. A gente busca intuir isso com o que está acontecendo na política e com essas perguntas sobre o noticiário”, afirma.
“A gente acredita que esse é um dos fatores que pode ter causado essa redução da popularidade do presidente. Obviamente que ainda tem a questão da corrupção, com membros do governo envolvidos, e também não se pode deixar de considerar a questão econômica. Em várias pesquisas, em vários países, há uma correlação muito forte entre popularidade do governo e a situação econômica”, diz Fonseca.